Páginas

domingo, 22 de abril de 2012

*3

Às vezes é preciso dar um tempo para resolver seus conflitos internos... É isso que estou fazendo!

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Confesse!

A dificuldade de ontem
nem se compara 
a dificuldade de hoje.
Ou talvez seja 
a facilidade de hoje
que nem se compara
a de ontem.
Eu fui, enquanto você,
ficou.


Olhe nos meus olhos
e diga aquilo que 
você sente.
Tudo o que 
você sente.


Não pode ser tão fácil
quanto parece, mas 
confesso, eu gosto mesmo
é de complicar um pouco.


Confesse que você 
também tem medo,

confesse que você 
também tem medo,

tem medo da verdade.


Diga a verdade,
pensou em mim
enquanto estava
deitado esperando
o anoitecer.


Talvez eu não seja
a pessoa certa,
mas você nunca será
a errada.


Agora resta deixarmos 
acontecer, até tudo acabar!


Não deixe isso se perder, 
fale antes que seja 
tarde demais,
fale antes que seja
tarde demais.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

"Prefiro continuar distante..."


Não agüentei! Larguei o romance fictício e fui viver o da vida real. A agonia que me consumia nesse instante foi imensa. Mas a verdade abriu em menos de três segundos, estava tudo acabado, tudo mesmo! Agora é tarde, não adianta se fazer de vítima quando você é realmente a culpada. Não adianta tentar conseguir uma boa justificativa para esse tipo de traição.
Confiança se conquista, e eu acabei de quebrar uma das que eu mais amava, mesmo distante, mesmo passiva, mesmo em segundo plano, ela existia. Entretanto, além de ter feito tudo isso, eu acabei com algo que nem existia, que talvez existisse na minha cabeça, na vontade de ver as coisas darem certas, ou simplesmente, no meu egoísmo.
Isso de não querer ver os outros sofrerem só me faz sofrer ainda mais. Talvez eu devesse parar de me meter nos problemas que não me dizem respeito, porque eu não sou o centro do mundo, e as pessoas devem resolver os seus problemas sozinhos. Além disso, nada irá justificar o que eu fiz, o que eu faço e o que eu farei.
Tantas vezes me queixei do egoísmo alheio... Como nunca fui capaz de ver que quem era egoísta, na verdade, era eu mesma! Quantas vezes me queixei pelas amizades perdidas, sendo que eu mesma acabei com tantas... Me aceitar com tudo isso é realmente impossível.
E ainda ter coragem para dizer que fiz isso porque gosto de alguém? Isso me parece mais falta de caráter, e sim, da minha parte. O pior é saber que teria feito tudo da mesma forma novamente, mesmo magoando muita gente, mesmo me martirizando mais uma vez, foi graças a isso que eu enxerguei que o erro não estava no mundo, e sim, em mim mesma.
O pior de tudo é o preço que eu pagarei agora, esse sim será muito alto, mas eu mereço, aliás, eu merecia muito pior. Tanta confusão que eu mesma criei. Parece que eu não posso deixar as coisas fluírem naturalmente, tenho que dar um jeito de estragar tudo.
Para ser sincera, eu me cansei de mim mesma, não quero mais nada disso que eu achava que merecia, porque na verdade, eu nunca mereci. Tudo isso me faz pensar que cada vez menos eu olho para os sentimentos dos outros, infelizmente, no fundo eu só me preocupo comigo mesma.
Enfim, não há mais nada a se fazer, o estrago foi feito. Não quero o perdão de ninguém, nem a confiança, nem nada disso que eu dizia ter, fui muito hipócrita, isso sim! Só o tempo me levará de volta para o mundo, e por isso "prefiro continuar distante...".

quinta-feira, 5 de abril de 2012

But the best for you!


Nunca mais deixarei isso acontecer, porque você nunca poderá retribuir nem a felicidade nem a dor que eu senti. Tudo que você fez foi preencher esse seu ego vazio. Amizade de verdade não é isso. Amor é compreensão. Se você quer um brinquedo, eu não posso me fazer um, mas colocar um fim nessa história eu posso, aliás, já devia ter feito isso há tempo.
Todos nós nos machucamos muito, toda a dor nunca será reparada, mas brincar com fogo não é a melhor solução, prefiro ter caráter suficiente para enfrentar toda essa situação. Chega dessas infantilidades que não podem fazer parte de nós mais, é melhor escolher logo um caminho e seguir o horizonte. Nunca gostei de borboletas, muito menos de mudanças, a estagnação me fascina, prefiro saber onde estou pisando.
Mas como preferi complicar aquilo que poderia ser tão simples, agora tenho que aceitar todas as suas consequências, mesmo que uma delas seja perder tudo isso que construímos dentro de nós, tudo o que eu queria agora era um espaço, para deixar isso, mas nunca mais resgatar, pelo ao menos não nessa vida.
Chega de ser tão dramática, é hora de viver a realidade, encarar os medos e as sombras. É hora de tomar atitudes e impor sua personalidade e todas essas "deslinhagens" ficaram para trás, porque eu decidi que quero mudar. Ninguém pode encontrar o meu caminho por mim, ninguém pode dar os passos por mim, então é hora de criar maturidade para persistir, mas não como uma borboleta, isso nunca mais.
Quero voar de outra maneira, sem limites, até sem atmosfera. Quero um novo ciclo para tudo, e é bom começar agora, porque deixar para amanhã é mera preguiça. Você também fez suas escolhas. Não acho que o melhor seja descontar tudo o que outra pessoa te fez com outra do mesmo sangue, mas foi você quem escolheu assim! Tudo o que eu vivi, o que você viveu, nunca se encontrará, estamos em coordenadas diferentes, e agora é tarde demais, ambos já se machucaram muito.
Entretanto ela nunca será o que eu fui para você, ou melhor, o que eu quis ser, e você nunca deixou. Todo mundo pode escolher, e você escolheu, repito. Tudo está sendo processado e deletado, não é essa a melhor linguagem para descrevermos isso? Foi como cortar as unhas, porque quando elas caem ao chão machucam o seu pé, mas você consegue se livrar das lascas facilmente.


domingo, 1 de abril de 2012

Ahh, borboletas!


É uma história tão grande para ser contada aqui. Na verdade nem sei quando ela começou e quando terminou se é que já acabou. Tudo não passava de ilusões, e estas nunca viraram realidade. Também não sei como deixei isso acontecer, eu não queria que fosse assim, mas infelizmente não pude controlar!
Começou bem simples, como se nunca fosse florescer, e agora não é possível expulsar todas as borboletas mais. Os pássaros já sabem exatamente onde construirão seus ninhos, enquanto eu ainda nem escolhi o meu caminho. Tudo fugiu do meu controle e eu tenho medo de decepcionar alguém no meio de tanto conflito.
No que a minha vida se resume, me perdi. Aliás, também não foi tão trágico, posso estar exagerando, mas tenho muito medo, porém tenho muita fé também. Tudo que parecia estar escrito, agora está desencadeado. Toda a forma de percepção está confusa e sonolenta. Nem é tão difícil quanto digo, mas decidir é quase impossível.
Acho que eu deveria abandonar tudo isso e ir atrás dos meus sonhos, mas não posso largar tudo o que levei anos para construir e ir viver um sonho, que durará o tempo de um sonho também. E isso tudo aconteceu logo comigo, que ainda tenho tantas dúvidas sobre qual é o melhor sabor de sorvete... Mas agora é tarde, o que tinha que acontecer já aconteceu e tudo foi longe demais. Pelo ao menos está tudo guardado bem no fundo daquele vazio que existe em mim, está tudo lá, e de lá nunca sairá.
Felicidade é passageira, tristeza também. Faz tempo que não me apego a isso mais, entretanto saber que estou caminhando sozinho por entre caminhos tão inóspitos me deixa confusa às vezes. Não existe ninguém no mundo que poderá mudar isso, mas existe um mundo que poderia me levar para si, e assim transformar tudo isso em lembranças.
Até os intervalos dentro de uma sala já estão me cansando, estou cansada dessa gente que nunca deixará de ser mais um estranho para mim. Eu queria ir para bem longe, talvez os sabiás nem cantassem lá, e os campos nem tivessem tantas flores, mas eu prefiro assim, quero distância dessas borboletas que não param de me perseguir.
Enquanto muita gente sofre com sombras, eu sofro com borboletas! Pode parecer mesquinho da minha parte, mas as sombras são mais a minha cara. A questão é que esse não é o momento propício paraa borboletas. Eu preciso mesmo é de ar, mas só quando eu sair do fundo desse oceano conseguirei respirar novamente.
Enfim, isso nem me afeta tanto mais, porém precisava desabafar, e as palavras sempre me ajudaram a me livrar de qualquer coisa que eu não quisesse mais, e espero que seja assim, que tudo isso se transforme, que essa borboleta volte para seu casulo e que os canários voltem a cantar como antes cantavam toda manhã.